OS “NOTÁVEIS” HOMENS DE TEMER

OS “NOTÁVEIS” HOMENS DE TEMER

       Antes de consumar a primeira parte do golpe, Michel Temer, o usurpador, prometeu formar um ministério de “notáveis”. Eis, aqui, uma síntese da plêiade de alguns desses homens de ilibada reputação. MENDONÇA FILHO, ministro da Educação. Suspeito de ter recebido R$ 100 mil da empreiteira UTC para sua campanha de 2014. HENRIQUE EDUARDO ALVES, ex-ministro do Turismo. Acusado pelo ex-senador Sérgio Machado de ter recebido R$ 1,55 em recursos ilícitos entre 2008 e 2014. ELISEU PADILHA, ministro-chefe da Casa Civil, carinhosamente chamado pelo falecido senador ACM de “Eliseu quadrilha”.  Acusado de empregar funcionária “fantasma”, quando deputado federal, Polícia Federal pediu bloqueio de seus bens e devolução de R$ 300 mil em ação de improbidade administrativa. SARNEY FILHO, ministro do Meio Ambiente. Segundo o delator Sérgio Machado, recebeu R$ 400 mil como vantagens ilícitas. ROMERO JUCÁ, ex-ministro do Planejamento. Além de suspeito de desvios de recursos e crimes eleitorais, foi flagrado em gravações com o delator Sérgio Machado planejando o golpe para estancar a “sangria da Lava Jato”. FABIANO SILVEIRA, ex-ministro da Transparência. Flagrado em gravações orientando seu padrinho político Renan Calheiros e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, a se livrarem dos incômodos da Lava Jato. De passagem, vale ressaltar que o próprio Temer, o usurpador, já foi citado mais de uma vez por delatores. No mais recente, é acusado por Sérgio Machado de ter pedido e recebido R$ 1,5 milhão para a campanha de seu afilhado Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo em 2012. Sem contar com o fato de que Temer hoje é ficha-suja, condenado que foi por crime eleitoral. Além dessas criaturas, outros ministros já apareceram nas investigações da Lava Jato e outros tantos respondem por uma farta variedade de crimes. Afinal, onde diabo se meteu aquela gente toda que vestia a camisa da CBF, praticava o exercício de bater panela e tantas vezes ocupou as ruas para protestar contra a corrupção?

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page