A FALÊNCIA DA MÍDIA IMPRESSA

A FALÊNCIA DA MÍDIA IMPRESSA

       Mantenho minha tese, que não é de hoje. A velha e cansada mídia no Brasil, particularmente a impressa, nunca tirou lições da falência do modelo pelo mundo afora. Continuou insistindo em atuar como partido político e privilegiando a opinião, com viés de manipulação, em detrimento de verdades factuais. Investiu, portanto, na falta de credibilidade. Ora, como sempre afirmei, não dá pra concorrer com o império da opinião, que são os blogs, portais e as redes sociais.  Continue lendo

O JORNALISMO DO DESCRÉDITO IMPRESSO

O JORNALISMO DO DESCRÉDITO IMPRESSO

       Sempre que a manchete de um jornal reflete apenas a vontade de quem a escreve e perde sintonia com o texto que representa, está-se diante de jornalismo desonesto, porque evidente fica a tentativa de manipulação do leitor. Neste caso, mais do que chamar a atenção para os fatos, a manchete representa o capricho e a vontade política, às vezes partidária, do mancheteiro. E o uso desse deplorável expediente tornou-se tão despudorado, que o autor da manchete já não consegue esconder sua própria contradição. Continue lendo

A GLOBO POR UM GLOBAL

A GLOBO POR UM GLOBAL

Dizer que a rede Globo é nociva à democracia, pelo seu histórico de golpismo e manipulação, pode até soar como coisa de esquerdista praticante de teoria da conspiração. Mas ganha um outro sentido bem factual quando dito por alguém que convive há trinta anos nas entranhas da emissora e corajosamente sai de sua zona de conforto. Foi o que aconteceu com o ator Pedro Cardoso. Em entrevista à TV UOL, deixou pruridos globais de lado, mexeu na ferida e sintetizou magistralmente o efeito deletério do império dos Marinho e congêneres: “A TV constrói um país que não é verdadeiro”. Mais do que isso, só desenhando.

GOLPISTAS DE CARTEIRINHA

GOLPISTAS DE CARTEIRINHA

Curiosa, muito curiosa e intrigante a tolerância nesse nosso País com os inimigos da democracia. Chega a ser trágica. Deus e o mundo sabem, inclusive por confissão do primeiro em um editorial, que O Globo, Estadão e Folha de São Paulo tiveram ativa participação na derrubada do presidente João Goulart, legitimamente escolhido pelo povo. Esse macabro apoio, num tempo em que a midiazona mandava e desmandava, custou aos brasileiros a quebra do Estado de Direito e duas décadas de cruel ditadura, com mortes, desaparecimentos, censura e a existência de uma das mais cruéis máquinas de tortura. Passadas mais de três décadas de dura e sofrida reconquista da democracia, os mesmos jornalões voltam à carga, com o mesmo modus operandi. Só faltam apresentar suas credenciais de golpistas.

A VOZ QUE CONVÉM À MIDIAZONA

A VOZ QUE CONVÉM À MIDIAZONA

“Então tá combinado. A Operação Zelotes, calcula-se, resultou em R$ 19 bilhões em sonegação aos cofres públicos, três vezes o valor da Lava Jato. Muita gente graúda envolvida. Mas, para o grande público, nada de grandes investigações jornalísticas. Afinal, não rende denúncias nem vazamentos contra políticos e aliados do Governo Federal. Sobre a Lista do HSBC, por sua vez, já dissemos o que tinha de ser dito.É bom não atiçar o que está comportado. Afinal, tem gente nossa envolvida na evasão de divisas, como a família Marinho, os Frias, os Saad, gente da editora Abril e por aí vai. Uma notinha ou outra, pra acalmar os ânimos, é suficiente. Continue lendo

UM FRANCOATIRADOR ANTIPETISTA NA REDAÇÃO DE A CRÍTICA

UM FRANCOATIRADOR ANTIPETISTA NA REDAÇÃO DE A CRÍTICA

Elaborar manchetes descoladas dos fatos relatados no corpo da matéria, expressando apenas a vontade, o capricho e a convicção ideológico-partidária do mancheteiro ou de seus chefes, é uma cruel forma de manipulação, além de ostensiva desonestidade com a boa fé do leitor, na medida em que tenta idiotizá-lo. Pois há um francoatirador na redação de “a crítica” que tem se especializado nessa prática. Com um detalhe: sua preferência são manchetes que, de alguma forma, possam atingir o governo petista, seus líderes ou mesmo admiradores. Nesses dias, impressionou-me uma de suas pérolas. “ORDEM PARA DERRUBAR FLORESTA”, estampou em sua manchete.
No lide, arrematou com o seguinte absurdo: “Partiu do Palácio do Planalto, e o ministro Patrus Ananias anunciou a derrubada de 12 milhões de hectares para a reforma agrária”. Continue lendo