PARANOIA

PARANOIA

       Pode até ser um passageiro estado de espírito. Mas que tem me incomodado, isso tem. Em verdade, o fato de não ter provocado inquietação alguma em outras pessoas tem me incomodado mais ainda. Andei reverberando por aí minhas preocupações, mas não consegui motivar criatura alguma a acolher meu mau presságio. Utilizei o meu sagrado espaço democrático no Tuíter, na tentativa de mobilizar alguma alma, e nada. Até fiquei um pouco magoado com o marqueteiro do Obama. Ele espalhou aos quatro cantos que esse mecanismo da internet é bater e ver, tanto que o Barack teve sua primeira eleição garantida pelas chamadas redes sociais. Mas aí não dá! Eu estou querendo demais! Pensando bem, devo ter superestimado o meu minguado número de seguidores, a anos-luz de bater o astronômico recorde da apresentadora americana de televisão Oprah, cujas mensagens de 140 caracteres podem causar alegria ou comoção em milhões de seres viventes. Conversei pessoalmente com algumas pessoas sabidamente ansiosas e sofredoras por antecipação. Justiça seja feita, me ouviram com interesse no tema, mas não passou daí. Só aumentou a angústia de saber que eu estava na condição de um solitário angustiado. Ainda assim, meus botões me dizem: a coisa é séria. Imaginemos o seguinte: todas as mensagens, mesmo curtíssimas como exige a ferramenta, postadas no Tuíter deixam de pertencer a quem as postou e passam a ter um único dono. Centenas de milhões e milhões de mensagens reveladoras, de forma ostensiva ou velada, do que pensamos, do que sentimos, do que gostamos ou não, de quem gostamos ou não, de quem admiramos ou odiamos, de nossas idiossincrasias, de nossas críticas, de nossas línguas ferinas e venenosas, de nossa formação política e ideológica, do nosso deboche, de nossas ironias, de nosso dia preferido para tomar a sagrada gelada, de nossa paixão ou desprezo pelo Vasco, Corinthias, Flamengo ou pela gloriosa seleção de estrangeiros do Dunga. Como diria um comunista de boa cepa, Deus meu, é um valioso banco de dados e de incalculável valor! Num eventual retorno à Guerra Fria estaríamos, como diria minha mãe, fritos na banha do periquito, todos nas garras do inimigo, que seria dono de nossas entranhas. Dele escapariam apenas os não tuiteiros. Pois bem. Saibam, pela última vez, que a biblioteca do Congresso Americano negociou com o Google a compra de todo o acervo de mensagens armazenadas na time line do Tuíter. Impressão ou estou paranoico mesmo?

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someonePrint this page